Adriana Sydor, toda prosa

Adryana Sydor e sua literatura toda prosa

“O poeta é um fingidor. Finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente.” A auto-análise de Fernando Pessoa serve como epígrafe para Adriana Sydor, toda prosa, livro de crônicas de Adriana Sydor, que enamora-se da poesia e a esparrama pelas páginas de sua obra tal qual namorada fecunda …

circo mecânico

Bem-vindo ao Circo Mecânico Tresaulti

Respeitável público! Quero apresentá-los a um circo jamais visto. A epígrafe dessa apresentação poderia ser “de perto ninguém é normal”, como já cantou Caetano Veloso.   Você é daqueles que guarda boas recordações do circo alegre da sua infância, com palhaços e algodão doce colorido? Então prepare-se, pois Genevieve Valentine joga tudo isso por terra …

onde cantam os pássaros

Onde cantam os pássaros e suas camadas

Imagine uma cebola e suas múltiplas camadas. Agora concentre-se em descamá-la, pouco a pouco. À medida que uma camada é retirada, outra mais profunda fica à mostra. E assim sucessivamente, até que fica impossível evitar o marejar dos olhos. Essa é uma metáfora perfeita para falar da experiência de ler Onde cantam os pássaros, de …

O menino, o bilhete e o vento

O menino, o bilhete e o vento

Em tempo de email e whatsapp, em que a velocidade da informação é o que conta, a singeleza de um bilhete rouba a cena em O menino, o bilhete e o vento, novo livro infantil de Ana Cristina Melo, com ilustrações de Fabio Maciel, publicado pela editora Bambolê. A história faz uma viagem no tempo …

Tempos da ditadura na casa da vovó

Tempos da ditadura na casa da vovó

Manifestações socioculturais pipocando aqui e acolá, feminismo, manifestações civis em favor dos negros e homossexuais, hippies, contracultura, revolução cubana e os Beatles migrando das doces melodias de seus primeiros discos para a excentricidade psicodélica que incluía orquestras, letras surreais e guitarras distorcidas. Esse é um retrato da década de 1960 no mundo. Mas e o …

A misteriosa mansão do misterioso senhor Lam

A misteriosa mansão do misterioso senhor Lam

Mistérios são irresistivelmente irresistíveis por natureza. Quem nunca quis saber o que havia do outro lado do muro alto do vizinho? Ou então o que tanto a irmã mais velha escrevia naquele diário trancado com cadeado? O que dizer, então, de um livro cujo título é A misteriosa mansão do misterioso senhor Lam? Pois esse …

Hugo & Rose: resenha e sorteiro

Hugo e Rose: resenha + sorteio

Que tal começar a semana com a chance de ganhar um livro daqueles bem interessantes? Chegou aqui no Conexão Autor um dos novos lançamentos da Editora Agir: o romance Hugo e Rose, de Bridget Foley. É a história de uma dona de casa de meia-idade que tem um marido apaixonado e três filhos lindos. No …

sete cartas de outro planeta

Sete cartas de outro planeta chegam a Terra

Imaginar é criar mundos fictícios para fugirmos da realidade ou é uma forma de lidarmos com as dificuldades do nosso próprio mundo? Talvez a maioria responda a primeira opção, mas e quando imaginar significa descobrir novas formas de interagir com os entraves do dia a dia e as pessoas à nossa volta? Daí surge um …

a manta

A manta e as histórias que ajuda a aconchegar

Somos todos colecionadores de histórias. Mesmo sem nos darmos conta, nossa existência é, na verdade, uma grande narrativa onde as histórias se encaixam, se sobrepõem ou se amontoam, nem sempre de forma ordenada. Somos as histórias que colecionamos. Mas histórias não são privilégio de seres humanos. Quem disse que objetos não constróem sua própria narrativa …

A menina e os relógios: o descompasso do tempo

“Passa tempo, tic-tac. Tic-tac, passa hora. Chega logo, tic-tac. Tic-tac, e vai-te embora”. A poesia de Vinícius de Moraes em “O relógio” reflete bem nossa contraditória relação com o tempo. Ora queremos que passe rápido, ora queremos que se demore. A menina e os relógios, novo livro infantil de Nara Vidal, recupera com graciosidade o …

arrabal e a noiva do capitão

Arrabal e a noiva do capitão

Arlequim, Pantaleão, Capitão, Polichinelo, Colombina… Personagens que nos acostumamos a encontrar representados nas populares marchinhas de carnaval são, na verdade, herança da commedia dell’arte italiana. Surgida entre os séculos XV e XVI, a manifestação artística prima por extrapolar os limites das convenções da época e abusar dos figurinos coloridos, da alegria e do improviso nas …

contadores de histórias

Solte a imaginação com os Contadores de Histórias

A arte de contar histórias é milenar e foi responsável pela  preservação dos grandes mitos da nossa cultura. Os contos, antes transmitidos oralmente, transformaram-se em literatura com a possibilidade do registro escrito. Mas os contadores de histórias nunca morreram. Mesmo com a palavra escrita, a palavra oral manteve-se viva por meio desses arautos da imaginação. …