fbpx

O escritor e ensaísta francês Michel de Montaigne já disse que “a palavra pertence metade a quem a profere e metade a quem a ouve”. Mas e se palavras nascessem em árvores, a quem pertenceriam: a quem as plantou ou a quem as colheu? Se lhe parece inimaginável, é preciso conhecer uma cujos “frutos servem pra fazer crescer sua imaginação e alimentar sua vida”. Tal árvore está no livro Dandi e a árvore palavreira, de Ana Cristina Melo com ilustrações de Patrícia Melo e lançamento da Editora Bambolê.

 

Dandi é um menino de “raça misturada”, neto de negros e descendente de índios, daqueles que não se aquietam, não se acomodam, não se enfadonham. É dos que fazem a remexer o mundo à procura do que os olhos dos outros não veem. E nessa procura Dandi encontrou as palavras, e com elas se encantou. Afinal, “era bom deixar de enxergar as palavras como se fosse pontinho invisível em estrada cheia de nevoeiro”. Palavras que o vô Chico sabia usar muito bem para contar histórias ao neto. “E cada história que vô Chico contava fazia o menino enxergar mais um pouco”.

 

E em meio a tanta história, palavras começaram a brota na cabeça de Dandi, mas vô Chico fazia questão de dizer que “não adianta nada pensar bonito, se o pensamento sai da boca deitado em palavra torta”. Então decidiu revelar ao neto o segredo da árvore palavreira, transmitido de geração em geração na sua família e que agora seria passado a Dandi. A história é uma emocionante metáfora sobre cultivar e cuidar das nossas palavras e respeitar o poder que ganham ao serem pronunciadas.

dandi e a árvore palavreira

A história se passa em um sítio, e Ana Cristina nos apresenta o lugar de forma tão apaixonada que nossa reação é fechar os olhos e romper as barreiras do imaginário para entrar correndo na casa amarela ou sentar debaixo da árvore para ouvir as história de vô Chico. A autora escreve como quem vai trançando a palha, cozinhando o doce na panela, adubando a terra: sem pressa, respeitando o tempo de fazer as palavras crescerem, tomarem forma e brincarem de contar história. E, junto com as palavras, vão crescendo as ilustrações de Patrícia Melo, que faz desenhos de aconchego, de cafuné, de embalar neto e avô na mesma rede, de aninhar medos e transformá-los em descoberta.

LEIA  A Turma do CP-500: neste domingo

Dandi e a árvore palavreira é livro de se guardar e ler para os netos. Ana Cristina colhe da sua própria árvore palavreira os frutos perfeitos para nos trazer um livro de pensar, de se surpreender, de se emocionar. Livro de pensar nos que já foram e nos que virão. Livro de pensar em quem somos e em quem queremos ser. Livro de pensar sobre o que fazemos com as palavra que plantamos e colhemos.

 

Dandi e a árvore palavreira
Ana Cristina Melo
Ilustrações de Patrícia Melo
Rio de Janeiro: Bambolê, 2016

Se você se interessou pelo livro, pode encontrá-lo aqui.

Dandi e a árvore palavreira

Escritora, crítica literária, jornalista e professora universitária. Trabalha com criação de textos e preparação de originais. Desenvolve cursos e palestras na área de Criação Literária e Escrita Criativa.

Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendado
Dia 31 de outubro, Halloween. Inexplicavelmente, ou não, a simples…
error: