fbpx

É com um certo atraso que publico aqui a resenha do primeiro conto do desafio literário 12 meses de Poe, proposto pela Anna Costa. A ideia é ler um conto de Edgar Alla Poe por mês e depois compartilhar as impressões de leitura nas redes. Quer saber mais e participar dessa leitura coletiva? Então veja aqui o post original do projeto.

 

Estou fazendo a leitura dos contos propostos pela Anna – no post original ela disponibiliza um arquivo com os 12 contos. Mas quem não quiser seguir as sugestões pode fazer a sua própria lista. O conto que corresponde ao mês de janeiro, e cuja resenha trago hoje, é Metzengerstein. As resenhas serão publicadas sempre no mês seguinte do conto em questão. Espero que isso inspire mais pessoas a se juntarem ao desafio.

 

12 meses de poe - metzengerstein de harry clarke
Ilustração de Harry Clarke para “Metzengerstein”

 

O primeiro conto de 12 meses de Poe

Metzengerstein, o conto que abre o calendário proposto para o desafio, é um perfeito exemplar da literatura de Poe. O clima de mistério paira o tempo todo sobre o conto, revelando e desvelando muito menos do que sugerindo – como é de seu feitio. O extraordinário, tão presente em sua obra, é elemento fundamental nessa narrativa. Que mágica seria capaz de conter uma simples tapeçaria para que figuras bordadas extrapolassem os limites do não real?

 

Poe começa seu conto falando diretamente com o leitor, trazendo-o para o seu lado e mantendo-o bem junto de si para o caso de não acreditar no caso que irá contar. E por que acreditaria, já que começa com uma antiga superstição húngara que tende fortemente para o absurdo? Mas o que seria um conto de Poe sem um bom absurdo a nos assombrar! E o modo intimista com que o autor leva essa conversa com o leitor, juntamente com o tom lúgubre, são responsáveis por nos remexermos na cadeira, inquietos, prontos a acreditar naquilo que tão veemente tentamos negar.

LEIA  Sete cartas de outro planeta chegam a Terra

 

Eu poderia dizer que o conto trata de duas famílias em discórdia permanente, mas aí pensariam estar falando dos Montéquio e os Capuleto shakespeareniano. Nesse caso, os Berlifitzing e os Metzengerstein. Mas não é sobre essa rivalidade que escreve Poe. É muito mais do que isso. É um olhar penetrante sobre o que vai dentro de homens que comprometem uma vida inteira com discórdias que apenas acumulam rastros do ódio de cada lado.

 

Edgar Allan Poe 12 meses de Poe
Edgar Allan Poe

 

É dos pequenos detalhes que são feitas as grandes mudanças, pois é desses detalhes que se ocupa o autor. Um quadro de tapeçaria, há tanto tempo exposto no gabinete, de repente revela-se instigante demais para ser ignorado. O jovem Barão Metzengerstein vê-se incapaz de desviar-lhe o olhar. O feitiço está nos olhos do dono ou no objeto amaldiçoado? Poe não nos dá respostas, sua literatura não pretende responder aos anseios e questionamentos mundanos. Ele apenas se diverte em nos trazer assombros de outrora e de outrem que assumem diversas formas. Aqui, em Metzengerstein, o que vemos é uma extraordinária afeição por parte do jovem barão pelas ferozes qualidades do cavalo que nem sempre fez parte desse mundo. Tirado de sua tapeçaria – por espontânea vontade ou força mágica de outro, nunca saberemos – o animal subverte com pleno domínio de sua malignidade a relação convencional entre montaria e homem.

 

O tal cavalo não é outro senão a montaria de alguém da família inimiga, os Berlifitzing, que fora derrotado por um Metzengerstein e cujo momento foi eternizado na peça decorativa. O que ninguém imaginaria é que tal animal, carregado sabe-se lá de que forças estranhas, seria capaz de materializar-se e dominar o rival de seu antigo senhor. Nesse embate entre o homem e o animal, nem sempre a aposta mais óbvia é a que se realiza. E, por fim, toma forma a antiga profecia: “Um nome elevado sofrerá queda mortal quando, como o cavaleiro sobre seu cavalo, a mortalidade de Metzengerstein triunfar da imortalidade de Berlifitzing.”

LEIA  A manta e as histórias que ajuda a aconchegar

 

contos de imaginação e mistério Poe

 

Interessou-se em conhecer mais sobre a literatura de Edgar Allan Poe depois de ler sobre o primeiro conto do desafio 12 meses de Poe? O livro Contos de Imaginação e Mistério traz 22 histórias do autor, entre conhecidas como “Os assassinatos da Rua Morgue” e “A queda da casa Usher” e outras nem tanto, como “Os fatos no caso do sr. Valdemar” e “Silêncio: uma fábula”. Você pode encontrá-lo nas livrarias abaixo:

 

Livraria Cultura

Saraiva

Livraria da Travessa

12 meses de Poe #1: Metzengerstein

Escritora, crítica literária, jornalista e professora universitária. Trabalha com criação de textos e preparação de originais. Desenvolve cursos e palestras na área de Criação Literária e Escrita Criativa.

Classificado como:            

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recomendado
É comum me pedirem indicação de livros que tragam técnicas…
error: