fim dos tempos
Resenhas

[Resenha] Fim dos Tempos está chegando

fim dos tempos

O mundo está em guerra. Mas não é uma guerra entre nações mundiais que disputam território e poder. É uma guerra entre seitas vampirescas que disputam território e poder. Uma guerra oculta à imensa maioria dos mortais é o pano de fundo para a trama e sub-tramas de Fim dos Tempos, novo livro de Juliano Sasseron.

O romance, ambientado em cenários como Poços de Caldas, em Minas Gerais, e Turim, na Itália, intercala conflitos pessoais – o protagonista Gilliatt sofre pela perda da mulher grávida para um vampiro – e universais – como a já citada guerra dos seres da noite. Gilliatt, que é um caçador de vampiros, transita entre essas duas esferas tentando sobreviver à sua dor, manter-se sóbrio e, ao mesmo tempo, realizar o seu trabalho.

As sub-tramas alternam-se capítulo a capítulo de forma que o leitor acompanhe simultaneamente as cenas que transcorrem nos diferentes cenários. Acompanhamos o drama pessoal de Gilliatt, sua dedicação à Irmandade e a história do mago das trevas, o necromante Pest, às voltas com uma experiência perturbadora.

O fim dos tempos está se aproximando, como já anuncia o título do livro. E ele vem em forma de uma nova espécie de vampiros, os diluídos, que não apresentam as mesmas fraquezas que seus semelhantes. Juliano faz uma precisa construção do suspense que enreda a narrativa, criando um pacto com o leitor desde o início e captando o interesse para o desenvolvimento do enredo. Sua narração do mundo fantástico é bem construída e envolvente, o que por vezes contrasta com a descrição que faz do mundo comum, bem menos eficiente do que a outra. Contribui para isso o uso de palavras desnecessariamente coloquiais que, a despeito de sua intenção, acabam por destoar do restante do romance e quebrar a sintonia entre leitor e texto.

LEIA  6 coisas que devem constar no início do livro

Apesar de o autor em alguns momentos estender-se em narrações supérfluas – porque tendem a explicar e romper o acordo autor-leitor – o texto como um todo traz bons acertos. Um bom exemplo é o protagonista, que Juliano desenvolve muito bem desde o início. O autor cria uma forte empatia entre Gilliatt e o leitor, que passa a importar-se com o personagem, criando um vínculo importante para o desenrolar da história. À medida que corre a narrativa, esse vínculo vai sendo fortalecido com o auxílio bem utilizado de flashbacks que ajudam a entender melhor o comportamento e as atitudes do protagonista. E o autor faz isso no momento certo, sem cair na tentação de apressar-se e apresentar toda a história anterior de Gilliatt logo de cara.

Com um universo bem construído e sedimentado, este é um romance fantástico que vale a leitura, já que os pequenos excessos pontuais não comprometem o resultado final. Mas é bom se apressar, afinal o fim dos tempos está chegando!

Fim dos Tempos
Juliano Sasseron
Editora Novo Século, 2013
416 páginas

 

Escritora, crítica literária, jornalista e professora universitária. Trabalha com criação de textos e preparação de originais. Desenvolve cursos e palestras na área de Criação Literária e Escrita Criativa.

Ronize Aline

Escritora, crítica literária, jornalista e professora universitária. Trabalha com criação de textos e preparação de originais. Desenvolve cursos e palestras na área de Criação Literária e Escrita Criativa.

Leia também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *