Blog do Conexão Autor com Ronize Aline

26

jul, 2013

Como escolher o ponto de vista

By: | Tags: , , , , | Comments: 9

Como escolher o ponto de vista.

No post de ontem, O que aprender com “As gêmeas da família”, apontei como destaque da narrativa o uso pela autora de múltiplos e surpreendentes pontos de vista. Mas o que é ponto de vista em criação literária? Como escolher o mais adequado ao nosso livro? Nesse artigo vou dar dicas de como escolher o ponto de vista que melhor sirva aos propósitos da história.

O que é ponto de vista

Em literatura, ponto de vista é como chamamos a perspectiva, ou ângulo, a partir da qual a história é contada. O ponto de vista está intimamente relacionado ao narrador escolhido. Se estivermos trabalhando com narrador em primeira pessoa, o ponto de vista será o desse narrador. No entanto, se estivermos trabalhando com narrador em terceira pessoa, podemos ter um único ponto de vista ou vários.

Um narrador em terceira pessoa onisciente favorece a utilização de múltiplos pontos de vista. Na verdade, todos os personagens podem ter seu ponto de vista apresentado ao longo da história, no entanto isso poderia se tornar bastante confuso. O mais comum é o autor escolher apenas um ou alguns personagens.
No livro “As gêmeas da família”, resenhado no post de ontem, Stella Maris Rezende trabalha com um narrador em terceira pessoa onisciente e utiliza múltiplos pontos de vista. Isso significa que o narrador tudo sabe, tudo vê, tudo sente, mesmo o que não é perceptível aos demais personagens. E os múltiplos pontos de vista apresentados correspondem ao olhar de objetos tão inusitados quanto uma xícara de porcelana ou uma chave. Veja um trecho do livro no qual as três protagonistas são mostradas segundo o ponto de vista da parede do quarto delas:
As paredes do quarto das trigêmeas conferiam, mais do que ninguém, que elas não eram amigas, mas que fingiam que eram, quando saíam para arranjar namorado. Naquele tempo, era comum as moças saírem toda tarde, mais ou menos a partir das seis e meia, e ficarem andando pela praça principal, de um lado para o outro, inúmeras vezes, enquanto os rapazes ficavam encostados em bicicletas, lambretas ou bancos de ferro batido, todos ali na praça, aquela juventude toda só pensando em namorar. As paredes do quarto delas, pintadas de branco de zinco, testemunhavam o tamanho do ódio que uma sentia pela outra. Dentro daquelas paredes, as irmãs não precisavam fingir amistança.

Como definir o ponto de vista

A primeira coisa a fazer é decidir se quer a sua história contada a partir de um único personagem ou vários. Se optar por um narrador em primeira pessoa, o ponto de vista vai estar limitado ao do narrador. Por outro lado, o tom tende a ser muito mais pessoal, mais íntimo, por vezes beirando a confissão. Mas se optar por um narrador em terceira pessoa, especialmente se for onisciente, poderá dispor de vários pontos de vista. Essa opção cria uma maior versatilidade em termos de criação literária, mas é preciso que a transição entre um e outro seja bem marcante para não gerar confusão ao leitor.
No caso de estar trabalhando com um narrador onisciente e vários pontos de vista, você pode decidir-se entre apropriar-se do olhar de personagens principais, secundários ou inanimados – como foi o caso do livro As gêmeas da família. O mais importante é criar afinidade entre os personagens que terão voz narrativa e o leitor. Este precisa perceber o mundo pelos olhos dos personagens-narradores, sentir como se estivesse ocupando a mesma posição que eles.
É importante que, seja qual for a sua escolha, o ponto de vista pareça verossímel ao leitor. Ele precisa acreditar no que está sendo narrado e sentir-se confortável com os múltiplos pontos de vista, se for o caso. E, se além disso você conseguir também supreender o leitor, haverá grande chance de cativá-lo para que permaneça interessado em sua história.

Qual foi o ponto de vista mais interessante que você já viu em um livro?Conte para nós.

Escritora, crítica literária, jornalista e professora universitária. Trabalha com criação de textos e preparação de originais. Desenvolve cursos e palestras na área de Criação Literária e Escrita Criativa.

LEIA  Resultado do sorteio: Hugo e Rose

Comments

9 thoughts on “Como escolher o ponto de vista

  1. José

    Quero escrever sobre um ponto de vista único, para que assim fique mais íntimo. Mas, quando penso nisso, me preocupo em como fica o que acontece fora do universo desse personagem, come esse ponto de vista. Como mostrar o que acontece enquanto ele planeja algo. Existem outros personagens nisso, então é como se, quando não estivessem com o personagem principal, os outros personagens desaparecessem pra mim…

    Responder

  2. Eduardo Spínola

    Sou escritor cristão, com mais de 500 crônicas publicadas no Facebook, com milhares de leitores, que são 120 grupos cristãos e meus 2.000 amigos virtuais. Estou publicando o meu segundo livro, cristãos como minhas crônicas, pensando em criar contos cristãos, à partir de histórias verídicas que me forem repassadas. Quero seu parecer e orientação. Sou aposentado, vivo do meu bom salário, e com todo o tempo disponível para o Senhor, em Sua obra, não precisando ter lucro com os meus escritos, mas limitado ao que eu recebo mensalmente.

    Responder

  3. Bianca Quatrini

    Adoreei o blog, é incrível. Sempre gostei de ler e criar histórias, e agora, com o blog vai ser mais divertido ainda escrever.

    Responder

  4. E. N. Andrade

    Ronize, no meu romance Um Amor Singular, o narrador é o protagonista, ou seja, primeira pessoa onisciente, mas isso fica complicado quando quero mostrar a história de outros ângulos, por exemplo o ponto de vista de outros personagens, que é necessário para a trama. Então penso em escrever em terceira pessoa, mas aí vem o problema das repetições, pois sempre preciso estar dizendo: ELE FEZ ISSO, ELE FEZ AQUILO, TOMAS É ISSO, MAX É AQUILO, gostaria de saber se há algo que possa me ajudar a escrever em terceira pessoa sem abusar tanto das repetições, pois a história fica chata e o leitor desiste de lê-la.

    Responder

  5. David

    Olá. Meu nome é David, eu sou escritor de ‘Fanfics’ desde os 13 anos com mais de 10 originais (leitura gratuita) no site Spirit Fanfics. Dois anos depois de concluir o primeiro original publicado, decidi escrever um livro e enviar para uma editora. Estou tendo uma divergência na minha história que é a seguinte: Não consigo desenvolvê-la com apenas um personagem narrando em primeira pessoa. Tenho dificuldades para escrever em terceira pessoa – como foi dito no seu texto acima – fica confuso para minha pessoa, eu acabo me embaralhando na descrição dos sentimentos.

    A protagonista começou a narrar nos cinco primeiros capítulos em primeira pessoa, nos dois capítulos seguintes, em primeira pessoa também: O marido da protagonista passa a narrar (só que no ponto de vista dele). Depois vai trocando, com um aviso de quem narra no título do capítulo e no cabeçalho de cada página do capítulo em questão.

    A minha dúvida é: Usar esse método para escrever minha história é incomum? Isso pode resultar em rejeição por parte da editora ou por parte dos leitores?

    Responder

    • Ronize Aline

      Olá, David.
      Você pode ter múltiplos pontos de vista em uma história, sem problemas. Se isso estiver bem costurado na narrativa, não será motivo de rejeição – desde que a história esteja bem estruturada e desenvolvida.
      Abraços,
      Ronize Aline

      Responder

Leave a Reply

Recomendado
Recomendado
O que aprender com As gêmeas da família. O que…
error:

Decole no mundo da criação literária

Receba esse KIT GRATUITO (avaliado em R$97) de recursos criativos essenciais para você dar os primeiros passos na sua jornada literária:

  • ebook Desbloqueio Criativo - como soltar sua imaginação
  • relatório Que tipo de enredo você quer?
  • scrips para estruturação da narrativa e dos personagens